INTRODUÇAO

O cultivo de Milho Safrinha no Brasil iniciou-se no final dos anos setenta, na cidade de Floresta, Norte do Paraná, em função de descapitalização dos agricultores paranaenses, após perdas enormes com a Grande Geada de 1975, que dizimou a maior parte dos cafezais paranaenses.

Inicialmente as lavouras eram conduzidas com pouco investimento, baixo nível tecnológico e, conseqüentemente, resultavam em baixas produtividades.  A despeito disso, em função do baixo valor de custo de produção do Milho Safrinha quando comparado ao Trigo, tradicional cultivo de outono-inverno, associado à condições ambientais razoáveis do período de inverno dos anos 1980 a 1990, os produtores paranaenses insistiram na atividade.

Passadas três décadas da intensificação do cultivo de Milho Safrinha o que observa-se é a expansão do cultivo para outras regiões do Brasil, principalmente no Centro Oeste.  Comparado ao início da atividade, na atualidade,  o que se constata nas lavouras de Milho Safrinha,  é um grande avanço no nível tecnológico empregado pelos agricultores o que tem resultado em um elevado incremento na produtividade, quantidade, e principalmente, na qualidade do produto obtido.

No ano agrícola de 2013/14, conforme dados da CONAB, o cultivo de Milho Safrinha ocupou uma área de 9,1 milhões de hectares, com produtividade média de 5.400 kg/ha,  e uma produção total de 46,87 milhões de toneladas de grãos, correspondendo a 59,6% da produção total de milho no país. Diante disso, de forma a dar sustentação a esta importante atividade agrícola, a cada dois anos, a Associação Brasileira de Milho e Sorgo (ABMS), promove o Seminário Nacional de Milho Safrinha, evento que irá completar a sua décima terceira edição. No ano de 2015, o XIII Seminário de Milho Safrinha realizar-se-á em Maringá-PR, no Excellence Centro de Eventos, localizado no Anel Viário Virgilio Manilia, nº 21784, Jardim Ouro Cola, CEP: 87070-170, no período de 24 a 26 de novembro.

A Organização do Evento estará a cargo da Universidade Estadual de Maringá/Departamento de Agronomia, Programas de Pós-graduação em Agronomia (PGA) e Pós-graduação em Genética e Melhoramento (PGM), e contará com o apoio da Embrapa Milho e Sorgo, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), e do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater -PR).

 

OBJETIVOS

O XIII Seminário Nacional de Milho Safrinha tem por finalidade apresentar e discutir avanços técnico-científicos relacionados ao cultivo do Milho Safrinha, o cenário e as tendências, bem como, apontar soluções para os principais entraves à evolução do cultivo de Milho Safrinha tanto no Paraná quanto nas outras regiões do Brasil. Desse modo, promover o intercâmbio de conhecimentos relacionados á Práticas Culturais e Produtividade de Milho Safrinha, envolvendo: pesquisadores, professores universitários, agrônomos, estudantes de Graduação e de Pós-Graduação em Ciências Agrárias, Instituições de Pesquisa e de Ensino, Empresas de Extensão Rural, Cooperativas Agrícolas, Empresas ligadas ao Agronegócio e à Agricultura Familiar, Associações de Produtores, e Produtores Rurais.  

 

PUBLICO ALVO

O Seminário Nacional de Milho Safrinha tem como público alvo pesquisadores, professores universitários, agrônomos, estudantes de graduação e de pós-graduação em Ciências Agrárias, instituições de pesquisa e de ensino, empresas de extensão rural, cooperativas agrícolas, empresas ligadas ao agronegócio, associações de produtores, e produtores rurais.

Tabela de Inscrição
Até 10/10 De 11/10 a 20/11 No local do Evento
Categoria Valores (R$)
Sócio ABMS R$ 250,00 R$ 300,00 R$ 350,00
Não Sócio ABMS R$ 350,00 R$ 400,00 R$ 450,00
Estudantes - Graduação e Pós-Graduação R$ 150,00 R$ 200,00 R$ 250,00